domingo, 8 de maio de 2011

♥ Minha Mãe Me Disse


Minha Mãe Me Disse
- Élder Bradley D. Foster - 


Meu bom amigo, Don Pearson, contou-me uma experiência pessoal que ressalta [a influência das mães]. Certa noite, seu filho de quatro anos lhe pediu que lesse uma história antes de dormir. Eric escolheu seu livro favorito, As Aventuras do Porquinho Paddy no Balão, que narrava a história de uma família que morava nas ilhas do mar e viajava de ilha em ilha em um grande balão. Era um livro só de gravuras sem texto, por isso o irmão Pearson inventou as palavras da história.
   "Paddy está em um grande balão. Ele está descendo em uma ilha agora. Está jogando um fio de linha lá do balão."
   Eric o interrompeu. "Pai, não é um fio de linha", disse ele. "É uma corda." 
   O irmão Pearson olhou para o Eric e depois voltou ao livro de gravuras e prosseguiu: "Paddy está saindo do balão e descendo pela árvore. Oh, não! Seu casaco ficou preso em um galho!"
   Eric o interrompeu de novo. "Pai, não é um casaco. É uma jaqueta."
   A essa altura, o irmão Pearson estava meio intrigado. "Eric", disse ele, "não há palavras neste livro, só gravuras. Por que você insiste que é uma jaqueta?"
   Eric respondeu: "Porque a mamãe me disse".
   O pai fechou o livro e perguntou: "Eric, quem você acha que tem a última palavra, quem é a autoridade máxima desta casa?"
   Dessa vez, Eric pensou cuidadosamente antes de responder: "É você, pai".
   O irmão Pearson abriu um grande sorriso para o filho. Que resposta magnífica! "Como é que você sabe disso", perguntou ele.
   Eric respondeu rapidamente: "A mamãe me disse".
   
Declarou o Presidente James E. Faust
"Não há bem maior em todo o mundo do que a maternidade. A influência da mãe na vida de seus filhos é incalculável".

-

Volta e flui para trás, ó maré dos anos,
Fatigado estou dos labores e das lágrimas (...)
Cansado da futilidade, da sordidez, da falsidade.
Mãe, ó mãe, meu coração clama por ti! (...)
Em meu coração, nos dias que se passaram,
Nenhum amor brilhou tanto quanto o amor materno;
Ninguém como a mãe pode afastar a dor
Da alma enferma e da mente fatigada do mundo.
Meus olhos pesam com a serena paz do sono;
Embala-me, ó mãe, embala-me para dormir!

("Rock Me to Sleep", The Family Library of Poetry and Song, org. William Cullen Bryant, 1870, pp. 190-191).

(Discuro na Íntegra - "Minha Mãe Me Disse" - Élder Bradley D. Foster, A Liahona Maio de 2010, Páginas 98-100).

(Artista da Imagem: A.R. Kennington - Pinturas à venda.)

3 comentários:

Deisi disse...

ja tinha lido esse texto mas é sempre bom relembrar.... coloquei no meu orkut e coloquei a referência..bj

Karine Paim Maia disse...

Lindo o texto. Não sabia q vc tinha um blog. Vou passar por aqui com mais frequencia.

Beatriz disse...

Que amor essa historinha... Realmente, tudo o que a nossa mãe fala fica guardado, de uma maneira ou de outra... A gente vê também, o quanto de responsabilidade nós mulheres/moças teremos pela frente.