segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

♥ O Verdadeiro Espírito de Natal


O VERDADEIRO ESPÍRITO DE NATAL

       Esta, certamente é a época mais linda que há, como mencionado no hino da Primária "Natividade". 
  Ainda que mudanças em nossas vidas sejam necessárias regularmente, mudanças de maus hábitos, ou simplesmente o aperfeiçoamento de alguns deles, neste período do ano é quando se dá mais ênfase a necessidade de uma auto-avaliação sobre como estamos nos saindo em relação a metas traçadas, objetivos alcançados e, com tais avaliações, elaborar novas metas e aprimorar outras para o ano que está para se iniciar. 
   Há algum tempo atrás, após sair de um Devocional de Natal da Primeira Presidência, após o nosso amado Profeta 'Thomas' falar sobre a literatura que 'sua família bem sabe que ele lerá', decidi-me a 'acompanhar o Profeta em sua leitura'. Faço menção especial ao livro "Um Conto de Natal", de Charles Dickens.
   Com base nos sentimentos que tive ao ler tal obra inspiradora, transformei as palavras do personagem Scrooge em uma meta para mim, meta essa que, desde então, renovo a cada ano: "Prometo venerar o Natal do fundo do meu coração e cultivar seu espírito durante o ano inteiro. Viverei no Passado, no Presente e no Futuro. Os espíritos dos três estarão sempre atuantes dentro de mim, e jamais esquecerei as lições que com eles aprendi." (Dickens, Charles - "Um Conto de Natal", Capítulo IV, Página 126)
   Conforme descrito pelo Profeta Monson, no Devocional de Natal, neste mês de Dezembro de 2011, "o exemplo [de Cristo] a ser seguido é o que fará brotar [em nós os mais nobres sentimentos por todo o ano]". Ele segue dizendo que, "o Espírito de Natal é o Espírito de Cristo!" 
   Se deixarmos esse Espírito aflorar em nós, e nos permitirmos servir de instrumentos Dele, estaremos aptos a reconhecer as oportunidades tão especiais, muitas delas simples, que Ele nos oferece, para estendermos a mão a alguém, confortar, consolar e levar o verdadeiro Espírito de Natal a Seus Filhos por meio de nós. 
   Dos natais que já tive, dos presentes que já ganhei, (sem respeitosamente diminuir a enorme gratidão que tenho por todos aqueles que de alguma forma lembraram de mim), muitos dos quais não lembro mais, alguns estragaram, enferrujaram, perderam-se ou, levaram outros rumos, os sentimentos que tive, o amor em família desfrutado e, principalmente a certeza de que Ele veio à Terra e nos deixou o maior exemplo a ser seguido é o que sempre será lembrado e o que tem sido fortalecido a cada ano e, sei que assim será até o final dos meus dias, pois "nós podemos ter o Natal que queremos", conforme citou o Presidente Dieter F. Uchtdorf, no Devocional de Natal deste ano.
   Finalizo com mais um trecho do livro "Um Conto de Natal": "Viram diversas coisas e foram muito longe, visitando muitas casas, sempre com um final feliz. O Espírito parou ao lado da cama dos doentes, e eles ficaram contentes; parou ao lado de homens que estavam em terras estrangeiras, e eles sentiram-se em casa; visitou homens que estavam lutando, e eles renovaram as suas esperanças; aproximou-se dos pobres, e eles sentiram-se ricos; nos albergues, hospitais e prisões - em cada lugar onde havia sofrimento, onde a mesquinha autoridade dos homens não tinha batido a porta na cara do Espírito de Natal, ele deixou sua bênção, ao mesmo tempo ensinando a Scrooge a sua lição." (Dickens, Charles - "Um Conto de Natal", Capítulo III, Página 100)

Nenhum comentário: